Archive | Julho 2013

PUTOS

Imagem

Eu e você, você e eu,

entre quatro paredes,

somos dois putos safados.

Sem vergonha, sem caráter.

Provocamos um ao outro,

Bebemos e transamos,

Nos amamos e nos odiamos.

Entre quatro paredes,

Agarro-lhe pela cintura, puxo seus cabelos e a amarro.

Imobilizada, faço de você minha refém.

Exploramos prazer sem limites, sem pretestos.

” Clame por mim! Implore vadia! ” – grito.

Bêbada, você ri, zomba de mim, me provoca ao último.

Adoro quando me provoca, me excito demais, você sabe disso mais que ninguém.

” Vou lhe dar umas palmadas, é isso que quer? ” – digo vidrado.

Ela me olha com aquele olhar felino, lambe os lábios, os mamilos explodindo entre a blusa e o calor invandindo suas pernas.

Ela brinca: ” Show me what you got! ”

Ah! Mulher deusa, menina- mulher, minha puta vadia que amo. Aquela que me faz derreter em meu ser,

Que faz meu pau latejar de prazer…

Apesar de te humilhar entre quatro paredes, sei que gosta

e por ti faço o que quiser.

No fim das contas eu sou o manipulado e você minha deliciosa manipuladora.

Somos amantes, cumplices,

Dois putos safados,

prazer é a nosso idioma,

foder, nosso dialeto.

FOTOGRAFIA: Margareth M. de Lange

QUASE SEM QUERER

Imagem

Quase sem querer, me encantei por você.

Seu doce sorriso, sua vida simples.

A simplicidades  e inteligencia em suas palavras,

a delicadeza de seu andar.

Quase sem querer,

sonhei com você.

Sonhei que te tomava em meus braços e a beijava lentamente.

Que desabotoava os botões de seu vestido e passava os dedos entre as rendas de seu sutien.

Você se rendia a sensação, os olhos semi-fechados, espreitando o que viria a seguir.

Você acariciando meu peito, os dedos brincando em meus pelos, os beijos se tornando mais intensos.

Quase sem querer,

acordo num rompante.

O despertador toca.

Estou atrasado, segunda-feira, dia de trabalho.

Só consigo pensar: “Deus, porque agora!”

Dou risada, corro para o chuveiro e penso na menina do sorriso doce, aquela que povoa meus sonhos,

a mesma que irei tomar em meus braços quando minha missão aqui encerrar.

A vida é engraçada, quase sem querer nos encantamos pelas pessoas e as coisas se tornam mais divertidas, até mesmo uma segunda-feira.

EXPECTATIVAS

aeroporto-casal

Após meses de expectativas nos reencontramos,

Minhas mãos e pernas tremem de ansiedade.

Você me encontra no meio de toda aquela gente,

Seus olhos me secam da cabeça aos pés.

Devoram meu ser, queimam em mim.

Nos abraçamos com força, sentimos o coração um do outro bater.

Sussurro baixinho em seu ouvido:

Nesse rosto amortecido pelo frio,quero meus seios roçar,

Seu corpo ajudar a esquentar, e brincar de amar.

Seus lábios vermelhos beijar e morder.

Sentir meus mamilos enrijecerem de prazer.

Sentir seu membro crescer, ansioso, e todo para mim.

E assim, enfim,

Concretizar, o que nos meus sonhos não tem mais fim.”

Você me olha surpreso, palavras não precisam ser ditas,

Você anseia por ações, assim como eu.

Damos as mãos, pegamos um taxi,

E partimos direto para seu ninho de amor.

OPORTUNIDADES

Imagem

Dona Edith, 45 anos. Vivera em função do filho e do ex marido que a trocou por uma jovem com metade de sua idade. 

Atualmente se encontra sozinha em casa rodeada de lembranças: roupas que não servem mais, videos da época de casado, roupinhas do bebê que hoje tem 25 anos e mora no exterior.

Dona Edith se olha no espelho e vê as marcas do tempo e pensa: ” Como fui deixar que isso me acontecesse ? Sempre agi certo. Fui uma boa esposa, uma boa mãe… Uma profissional exemplar. Agora estou aqui, soterrada em lembranças.”

Culpa. Um veneno que contamina nosso corpo e alma. Vai matando aos poucos.

Remorço. Por pensar no tempo que passou e não foi aproveitado, e que nada foi renovado. Nem física nem espiritualmente.

Despertar. O tempo escorre pelos dedos, mas não significa que não possa se aproveitar o que resta dele. O tempo clama por isso.

Esperança. Dona Edith arruma os cabelos, veste um vestido floral, passa um batom nos lábios e sorri. 

Pega a agenda e disca um número de um velho amigo. ” E aí? Sou eu, Edith. Então, sabe aquele café que você  me convidou? Ainda está de pé? Ótimo! Nos encontramos em 30 minutos. Beijos, até mais.”

Atitude. Aproveitar as oportunidades que a vida proporciona, fazer valher a dádiva de estar vivo, agir sem medo do ridículo. Afinal, ridículo é estar vivo e não viver. Não errar, não aprender.

Não se dar a oportunidade de sorrir e ser feliz.

GOSTOSURA OU TRAVESSURA?

Imagem

Estamos à meia luz, suas mãos me tocam lentamente.

Seus dedos deslizam sobre minha pele. Minha pele arde ao seu toque.

Sinto arrepio. Suspiro em seu ouvido: Gostosura ou travessura?

Ele dá um risinho contido e diz: Travessura!

Dou um rodopio e saio correndo pela casa. Ele grita: Danada!

Corro, corro tudo que eu posso, ele me agarra pela cintura e me diz: Agora quero você gostosura!

Nos olhamos profundamente e nos beijamos de forma intensa, como se fosse um último beijo. Sobre ele o enlouqueço com minha doce vontade.

Pego a cobertura de morango da geladeira e o delicio com minha ousadia. Nos lambuzamos, nos amamos e nos lambemos.

Pele com pele no chão da cozinha, adormecemos juntinhos, como se fossemos um só.

Acordo e fico observando seu rosto inocente num corpo tão indecente e digo : Como é possível, tanta gostosura e travessura em uma só pessoa!

Dou um meio sorriso e o cutuco, afinal temos uma longa viagem pela frente.

 

TRABALHO

Imagem

Trabalho,

árduo,

um fardo,

necessário.

Mas não se deixe manipular,

trabalhe para viver e não viva para trabalhar.

Faça de cada ofício uma arte, valorize-se e valorize o outro.

Somos todos engrenagens de uma grande máquina,

desigual, predatória,

maquina essa, chamada sociedade.

 

 

VIVENDO

Imagem

Ela acorda num rompante,

“Estou atrasada, estou atrasada”.

Atrasada pra quê ? – ela se pergunta.

Pra viver! Sentir o vento em seus cabelos,

o sol queimando sua pele, os pássaros conversando nas árvores.

Ah como é bom a liberdade! O desapego.

Saber que não há nada além do compromisso para consigo mesmo.

Sorrir… Não ter de pensar no porquê de você ter sumido.

Se sumiu, é porque não era pra estar contigo. 

Essa é a lei,

não pensar em porquês, apenas viver.